Tag Archives: Juliana Ingrid Dias

De bicicleta, pela Ciclofaixa da Av. Paulista

A Prefeitura de São Paulo lançou hoje (02 de Setembro de 2012), com o apoio da Bradesco Seguros através do Movimento Conviva, a CicloFaixa de Lazer na Avenida Paulista. Com isto, o prefeito Gilberto Kassab retoma uma idéia antiga, da gestão da ex-prefeita Marta Suplicy – ter lazer para a população paulistana aos domingo em seu principal cartão postal. Quando assumiu a prefeitura, em 2005, José Serra interrompeu o projeto Domingo na Paulista, que contava com 76% de aprovação da população e chegou a reunir 35 mil pessoas. Segundo Caio Luiz de Carvalho, presidente do São Paulo Turismo na época do encerramento, o evento “agrada a poucos, prejudica muitos e agregava pouco à cidade”. Ele alegou ainda que o projeto gerava problemas no trânsito no entorno da avenida. Diante disto, é louvável que a Prefeitura volte a enxergar as vias públicas como um local de convívio entre pessoas, especialmente um local tão central, com salas de cinema, teatros, comércio, alimentação e outros serviços que a população pode aproveitar. Espero que José Serra não interrompa este projeto, caso eleito para a prefeito da próxima gestão.

A Avenida Paulista é, no entanto, também via de deslocamento para centenas de ciclistas que, de segunda a sexta-feira, utilizam este espaço para ir ao trabalho. Eu, a Helga, co-autora deste blog, entregadores, executivos, e tantas outras pessoas saímos de nossas casas todos os dias e somos vítimas de “finas”, aceleradas ameaçadoras e reclamações por parte de uma pequena parcela dos motoristas que entendem que estamos “atrapalhando o trânsito”. Quando estas ameaças são levadas às últimas consequências, temos homicídios como da Marcia Prado e da Juliana Ingrid Dias. Elas morreram em “dias úteis”, indo para o trabalho, na própria Avenida Paulista.

Daí surge a minha revolta e de alguns ciclistas, como deste que colou os cartazes das fotos. Ao passo que o governo toma medidas eleitoreiras, com as Ciclofaixas de Lazer, as pessoas que desafogam o trânsito e os transportes públicos não enxergam nenhuma melhora em seu benefício ou melhoras que incentivariam um número maior de pessoas a utilizarem a bicicleta de segunda a sexta. A jornalista Renata Falzoni compara a Ciclofaixa à política de pão e circo em post sobre o assunto. Ela enumera as razões de sua indignação, focada principalmente na inação do poder público de melhorar a estrutura cicloviária do município, mesmo diante da disponibilidade de orçamento para um plano de mobilidade. Ela cita também as ações amadoras, feitas às pressas, antes do lançamento das bicicletas compartilhadas do banco Itaú. Vale lembrar que  o primeiro plano para construção de ciclovias em São Paulo foi apresentado em 1981 pela Prefeitura e previa 174 km de faixas exclusivas para bicicletas. De lá para cá quase nada foi feito.

Hoje está cheio de palhaços na Avenida Paulista, contratados pelo Bradesco, patrocinador da Ciclofaixa. Nos outros dias, a avenida fica cheia de “palhaços” que tentam se locomover sem a segurança dos cones, dos muitos agentes da CET, dos fiscais da SPTrans, e com a velocidade máxima limitada a absurdos 60 km/h, sem qualquer fiscalização. Aos domingos o limite é de 40 km/h. Vida longa à CicloFaixa de Lazer.

 

OBS.: O risco de morte em um atropelamento por auto gira em torno de 30% quando a velocidade é de 40 km/h, porém cresce para até 85% se a velocidade de impacto for de 60 km/h. Uma das fontes é Vehicle Speeds and the Incidence of Fatal Pedestrian Collisions prepared by the Austrailian Federal Office of Road Safety, Report CR 146, October 1994, by McLean AJ,Anderson RW, Farmer MJB, Lee BH, Brooks CG.

Advertisements

De bicicleta ou a pé, quase sempre sou atropelado

Nos últimos dias muito tem sido falado sobre as medidas que o Secretário Municipal de Transportes de São Paulo e presidente da CET, Marcelo Branco, deve tomar para “proteger” os quem anda de bicicleta pela cidade. Em uma reunião com alguns ciclistas, Branco prometeu que a CET irá passar a fiscalizar o cumprimento do art. 169 do CTB. Este artigo versa sobre a possibilidade de multar quem “dirigir sem atenção ou sem os cuidados indispensáveis à segurança”, uma infração considerada “leve” pelo Código. Os detalhes desta reunião estão no blog Na Bike, da jornalista Sabrina Duran. Ainda segundo esta blogueira, as ações devem entrar em vigor 30 dias após a reunião, ou seja, em Maio de 2012.

Esta promessa surge depois das recentes mortes de Lauro Neri, na Av. Pirajussara, em 3 de Abril, de Juliana Dias, em Março, e de tantos outros acidentes causados pela falta de respeito do poder público ao cidadão, que enxerga em multar a forma de melhorar a convivência nas ruas.

Recentemente a mesma Secretaria Municipal de Transportes comemorou que campanha de proteção ao pedestre reduziu em 37,5% a quantidade de mortes por atropelamento na região central da capital. Nos nove meses compreendidos entre os dias 11 de maio de 2011 até o dia 31 de janeiro deste ano foram registradas 20 mortes. Já de 11 de maio de 2010 até 31 de janeiro de 2011 foram 32, segundo cálculos divulgados pela CET (Companhia de Engenharia de  Tráfego). Os números são referentes a ZMPP (Zona Máxima de Proteção ao Pedestre), que compreende sobretudo a Avenida Paulista e seu entorno.

Na segunda-feira, 16 de abril, quase fui atropelado na faixa de pedestres do cruzamento das ruas Bela Cintra e Luis Coelho, há um quarteirão da Av. Paulista. Ali há 3 faixas de rolamento. Os motoristas à esquerda e à direita da via pararam, conforme pede a campanha. O motorista que seguia pela faixa central avançou com seu carro em alta velocidade (bem acima do estabelecido para a via), sem parar na faixa.

Em toda capital a queda no número de mortes foi de 8% (passou de 464 para 427), três vezes menor do que na ZMPP. Isto mostra que as campanhas que têm multas como principal artifício só funcionam quando a autoridade fiscalizadora está presente e, mesmo assim, não é em 100% dos casos, como mostra minha “experiência”. Na Rua Bela Cintra está uma das sedes da CET e há grande probabilidade de haver um agente de trânsito por ali. Mesmo assim o motorista ignorou este risco.

A minha expectativa, pessimista, é que o mesmo aconteça com relação à fiscalização do art. 169 do CTB para as bicicletas. Acredito que, com toda a mídia gerada pela reunião dos ciclistas com o secretário Branco, vá ocorrer uma redução nos conflitos entre motoristas e ciclistas durante algum tempo, mas isto é apenas engodo para alguns incautos.

Não é sobre apenas um pilar que se faz uma política pública que vise a segurança e a humanização das ruas. Outras medidas como educação dos motoristas, medidas restritivas permanentes (traffic calming) e a construção de infra-estrutura (como ciclovias, por exemplo) estão sendo totalmente ignoradas. Espero que ainda seja possível abrir os nossos olhos.

@renejrfernandes

P.S.: Esqueci de contar um fato triste. Na última semana estava indo trabalhar de carro, quando passei ao lado de um motorista que estava estacionado em uma faixa de pedestre. Eu parei e tentei avisar a ele que ali havia uma faixa de grande fluxo. Ele respondeu de forma rude com a frase “E daí? Você é pedestre?”. Eu respondi que sim, na maior parte do tempo, e fui embora na esperança de que um dia ele perceba que ele é também pedestre.

De bicicleta, perdi uma amiga

Não sei por onde começar este post. É estranho quando a morte chega tão perto de você. A Juliana era minha amiga e fazia, de bicicleta, parte do trajeto que eu faço todos os dias pela Av. Paulista. Ela também tinha sonhos, mesmo depois de um coração machucado. Tinha um caixote de frutas cheio destes sonhos no bagageiro da bicicleta e outros tantos saltando da sua fala rápida. Ela participava da Bicicletada e frequentava as festas do Saloon. Um dia ela me convidou para um show do Karnak, no Sesc Pompéia, para ouvir as bobagens do André Abujamra. Ela pagou a entrada. Lá encontramos o Marcello Pimentel, o Palmas (ou seria o Alexandre Ribeiro?) e o Fred França. Depois do show eu, ela e o Fred bebemos pinga e cerveja no BH até altas horas. Foi um noite gostosa. Daquelas que vão ficar para sempre na memória.

— o —

Juliana Ingrid Dias – 15/01/2012
  • Oi Re, tudo bem com você?
    Hoje passei em frente à sua casa quando estava indo trabalhar! Fiquei imaginando se estava lá!!!
    Beijo.

Rene Jose Rodrigues Fernandes – 15/01/2012
  • Oi, Ju! Estou bem, fora meio chateado com umas coisa do trabalho que não deram certo ainda. E contigo? Tudo bom? Faz tempo! Manda notícias. Nunca mais ví você nem online! No final da manhã e de tarde eu não estava. Tinha ido pedalar um pouco, treinando para fazer o Desafio semana que vem. Um beijo!

— o —

Karnak  – Comendo Uva na Chuva

Cada água que cai do meu rosto
É uma chuva que ainda não parou
Cada água que cai lá de cima
É a lágrima de alguém que brigou
Será que um dia a gente vai parar de briga 
Será que um dia a gente vai parar de brigar

— o —

P.S.: Tudo o que eu poderia dizer sobre respeito no trânsito, CTB etc já disse no post sobre o Sr. Antonio Bertolucci, vou continuar dizendo nas redes sociais e na mídia e vou usar para reivindicar mais segurança para o ciclista junto ao poder público. Este post é só para sentir saudades da Ju.

@renejrfernandes