De bicicleta ou a pé, quase sempre sou atropelado

Nos últimos dias muito tem sido falado sobre as medidas que o Secretário Municipal de Transportes de São Paulo e presidente da CET, Marcelo Branco, deve tomar para “proteger” os quem anda de bicicleta pela cidade. Em uma reunião com alguns ciclistas, Branco prometeu que a CET irá passar a fiscalizar o cumprimento do art. 169 do CTB. Este artigo versa sobre a possibilidade de multar quem “dirigir sem atenção ou sem os cuidados indispensáveis à segurança”, uma infração considerada “leve” pelo Código. Os detalhes desta reunião estão no blog Na Bike, da jornalista Sabrina Duran. Ainda segundo esta blogueira, as ações devem entrar em vigor 30 dias após a reunião, ou seja, em Maio de 2012.

Esta promessa surge depois das recentes mortes de Lauro Neri, na Av. Pirajussara, em 3 de Abril, de Juliana Dias, em Março, e de tantos outros acidentes causados pela falta de respeito do poder público ao cidadão, que enxerga em multar a forma de melhorar a convivência nas ruas.

Recentemente a mesma Secretaria Municipal de Transportes comemorou que campanha de proteção ao pedestre reduziu em 37,5% a quantidade de mortes por atropelamento na região central da capital. Nos nove meses compreendidos entre os dias 11 de maio de 2011 até o dia 31 de janeiro deste ano foram registradas 20 mortes. Já de 11 de maio de 2010 até 31 de janeiro de 2011 foram 32, segundo cálculos divulgados pela CET (Companhia de Engenharia de  Tráfego). Os números são referentes a ZMPP (Zona Máxima de Proteção ao Pedestre), que compreende sobretudo a Avenida Paulista e seu entorno.

Na segunda-feira, 16 de abril, quase fui atropelado na faixa de pedestres do cruzamento das ruas Bela Cintra e Luis Coelho, há um quarteirão da Av. Paulista. Ali há 3 faixas de rolamento. Os motoristas à esquerda e à direita da via pararam, conforme pede a campanha. O motorista que seguia pela faixa central avançou com seu carro em alta velocidade (bem acima do estabelecido para a via), sem parar na faixa.

Em toda capital a queda no número de mortes foi de 8% (passou de 464 para 427), três vezes menor do que na ZMPP. Isto mostra que as campanhas que têm multas como principal artifício só funcionam quando a autoridade fiscalizadora está presente e, mesmo assim, não é em 100% dos casos, como mostra minha “experiência”. Na Rua Bela Cintra está uma das sedes da CET e há grande probabilidade de haver um agente de trânsito por ali. Mesmo assim o motorista ignorou este risco.

A minha expectativa, pessimista, é que o mesmo aconteça com relação à fiscalização do art. 169 do CTB para as bicicletas. Acredito que, com toda a mídia gerada pela reunião dos ciclistas com o secretário Branco, vá ocorrer uma redução nos conflitos entre motoristas e ciclistas durante algum tempo, mas isto é apenas engodo para alguns incautos.

Não é sobre apenas um pilar que se faz uma política pública que vise a segurança e a humanização das ruas. Outras medidas como educação dos motoristas, medidas restritivas permanentes (traffic calming) e a construção de infra-estrutura (como ciclovias, por exemplo) estão sendo totalmente ignoradas. Espero que ainda seja possível abrir os nossos olhos.

@renejrfernandes

P.S.: Esqueci de contar um fato triste. Na última semana estava indo trabalhar de carro, quando passei ao lado de um motorista que estava estacionado em uma faixa de pedestre. Eu parei e tentei avisar a ele que ali havia uma faixa de grande fluxo. Ele respondeu de forma rude com a frase “E daí? Você é pedestre?”. Eu respondi que sim, na maior parte do tempo, e fui embora na esperança de que um dia ele perceba que ele é também pedestre.

Advertisements

One response to “De bicicleta ou a pé, quase sempre sou atropelado

  1. lamentável q no nosso país atitudes q deveriam ser “naturais”, como respeito ao próximo, só se consegue (na teoria – como vimos no relato acima) atravéz de multas e punições.

    é q a “cultura do umbigo” ta tão arraigada nas pessoas q qdo vem alguém querendo voltar ao q era antes (antigamente as pessoas eram mais cordiais)as pessoas se sentem ofendidas. pq como eh q alguém pode querer pensar em outra pessoas a nao ser ela msm??? na cultura do umbigo palavras como cordialidade, simpatia, compartilhamento têm o msm significado que xingar a mãe.

    lamentável isso…

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s