De bicicleta, pela Castello Branco, ganhei o Igor

Rodovia Castello Branco. Outubro de 2011.

Rodovia Castello Branco. Outubro de 2011. Foto: Gilberto Kyono.

Eu conheci o Igor Gabia quando ele tinha ainda 16, quase 17 anos. Isso foi há cerca de 2 anos. Um pouco depois disso, em um dia qualquer de Outubro de 2011, o Gilberto Kyono me chamou para fazer um circuito de um dia, saindo de São Paulo pela Rodovia Castello Branco, em direção a Itu, de lá em direção à Rodovia dos Bandeirantes e por ela de volta a São Paulo, o que daria mais de 200 KMs.

Estávamos eu, o Gilberto, o Igor, a Natashe e mais dois conhecidos do Gilberto. Saímos de São Paulo às 7 horas da manhã, com a previsão de voltarmos até a noite.  Seguimos pela Vila Leopoldina, até a ponte mais próxima à entrada da Castello, para evitarmos qualquer trecho da Marginal Tietê e já começarmos onde o acostamento é mais largo. Tudo foi tranquilo na saída de São Paulo, apesar das entradas e saídas de veículos.

Com paradas para descansar e tomar água, fomos seguindo e vencendo a distância, até o KM 53. A câmara de ar do pneu do Igor furou e lá fui eu ajudar. Isso se tornaria a principal “marca” da minha amizade com ele. Neste dia até que não foram muitos furos, mas em um Audax, meses mais tarde, eu o ajudaria a trocar câmaras 5 vezes em pouco quilômetros, até que pedimos um pneu emprestado para o Richard Dunner, da organização da prova. Descobrimos então que era o próprio pneu que estava furando câmara, mas com isso nós dois seguimos sem mais câmaras reserva até o final, pois já tinham ido as 3 dele e as 2 minhas.

Depois da troca do KM 53 continuamos, almoçamos e quando escurecia estávamos quase em Jundiaí. Os conhecidos do Gilberto sugeriram que tomássemos, daquele ponto, o trem de volta a São Paulo. Já tínhamos pedalado mais de 150 KMs. Eu falei que não queria parar e o Igor logo se voluntariou a continuar comigo. Seria a primeira vez que eu iria passar dos 200 KMs e não queria perder a chance. Chegamos quase às 10 horas da noite, depois de outros 60 KMs, cansados, mas como já tínhamos pedalado mais de 230, ele sugeriu complicar e fazer a subida até a Paulista pela Av. Pacaembu. Fizemos, e um menino que ainda estava o ensino médio tinha me acompanhado na distância mais longa da minha vida pedalando.

Essa é só uma das lembranças boas. Tem muito mais. Tem muitos outros furos em que ele me ajudou. Tem muito tempo andando juntos nos Audax. Tem as vezes no final de tarde que eu estava voltando do trabalho e ele aparecia, do nada, pedalando ao meu lado na Paulista. E parece que esse menino é uma unanimidade. Uns tantos outros textos nas redes sociais, um post do Odir Züge e outro da Michele Mamede mostram um companheiro, de sorriso fácil e brincalhão, que todo mundo gostava.

No quilômetro 16 da mesma Castello Branco que pedalamos, o Igor foi embora. Sábado, 24 de Agosto de 2013, aos 18 anos, ele foi atropelado por um caminhão, ao cair na pista tentando fugir de dois assaltantes. Vou sentir saudades deste menino, não com a sensação de tê-lo perdido, mas de ter ganhado algum tempo ao seu lado.

Audax Holambra. Foto: Alexandre Tamashiro (China).

Audax Holambra. Foto: Alexandre Tamashiro (China).

Advertisements

One response to “De bicicleta, pela Castello Branco, ganhei o Igor

  1. Pingback: De bicicleta, para a praia | De Bicicleta

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s